Festival Terras sem Sombra «mete água» no Sorraia

Momento único que une música, património e biodiversidade

O Festival Terras sem Sombra vai, pela primeira vez, a Coruche, no próximo fim de semana de 29 e 30 de Junho, e vai, literalmente, «meter água». As palavras, bem humoradas, são de Sara Fonseca, diretora executiva do certame, que convida todos os amantes da música para uma «estreia absoluta»: um concerto «no meio do rio Sorraia, dentro de um barco, com músicos profissionais de primeira água».

O fim-de-semana contará, assim, com um concerto “aquático”, sulcando as águas do rio Sorraia, no Festival Terras sem Sombra (TSS). O terceiro concerto da 20.ª edição desta temporada musical arreigada ao Alentejo encontra novos horizontes contíguos à planície, em pleno Ribatejo, no concelho de Coruche.

Num momento único que une música, património e biodiversidade, o TSS apresenta-se assim, em parceria com o município de Coruche, numa visita a terras ribatejanas que sublinha a mundividência do TSS, um festival que se afirma no panorama nacional e internacional, este ano com Itália como país convidado.

«Ter a Itália, essa grande nação lírica, como país convidado em 2024, quando o Terras sem Sombra cumpre a sua 20.ª edição, é um privilégio e uma distinção. A Itália, além de ser um marco da história da música, é uma potência europeia que encontrou na cultura um softpower impressionante», assinala José António Falcão, diretor-geral do Festival.

E acrescenta: «esta presença constitui um avanço extraordinário para a vida artística do Alentejo e abre portas a outros intercâmbios relevantes do ponto de vista social e económico; trata-se verdadeiramente de um grande passo em frente e queremos prossegui-lo noutras vertentes».

Subordina ao tema «”Liberdade, quem a tem chama-lhe sua”: Autonomia, Emancipação e Independência na Música (Séculos XII/XXI)», o Terras sem Sombra vai, desta feita, ao encontro de terras coruchenses para um concerto marcado pela singularidade.

 

 

Em noite de Estio, o concerto, entregue ao talento do ensemble La Nave Va, decorre nas margens do Sorraia. Um convite a fruir a grande música junto a um curso de água que marca a geografia e a história de um dos maiores concelhos do país, com mais de 1115 quilómetros quadrados. Fonte de vida, abundante em recursos naturais, a serenidade deste rio imprime o tom ao momento musical. Será oportunidade para acompanhar a interpretação do quarteto de músicos que atuarão a bordo de uma embarcação tradicional do concelho, oferecida ao município e que foi recentemente recuperada.

A plateia, com 180 lugares, será instalada na areia da praia fluvial (bandeira azul) do Sorraia, sendo o acesso livre, como sempre acontece em todas as atividades do Festival.

A viagem musical que se faz em torno de obras, entre outros, de nomes maiores como Marc-Antoine Charpentier, Georg Friedrich Händel, Jean-Baptiste Drouart de Bousset, Pedro Lopes Nogueira e Henry Purcell, junta em palco um elenco de virtuosos.

A António Carrilho competem a direção musical e as flautas. Carrilho é um notável intérprete de flauta de bisel, pedagogo e maestro, várias vezes premiado. Organiza os Cursos Internacionais de Música Antiga da Casa de Mateus.

Ao palco sobe também Duncan Fox (violone), um estudioso de instrumentos de corda e de tecla de época, dando especial atenção ao violone.

Helena Raposo (tiorba e guitarra barroca) tem atuado em Portugal, Espanha, Inglaterra, Holanda, Bélgica, Itália e Alemanha, com diversos ensembles, tanto como solista, como contínuo/acompanhamento. É diretora artística e professora no Early Music Summer Camp, em Castelo Novo.

O quarteto completa-se com Armando Possante, barítono que se apresenta regularmente como solista em recital, oratória e ópera, tendo colaborado com as principais orquestras e maestros do país.

 

 

Entre o sagrado e o profano

Na sua dimensão patrimonial, o programa do Terras sem Sombra em Coruche contempla a atividade subordinada ao tema «Devoção e História: O Santuário de Nossa Senhora do Castelo e o Centro Medieval de Coruche».

Com ponto de encontro marcado para o santuário de Nossa Senhora do Castelo, no sábado, 29 de Junho (15h00), a agenda da tarde completa-se a vários tempos. A visita orientada por Dulce Patarra e Aníbal Mendes, do Museu Municipal de Coruche, e José António Falcão, historiador de arte com obra publicada sobre a arte sacra de Coruche, parte de um miradouro privilegiado sobre as terras contíguas.

Ali, onde a planície arborizada cede lugar às alturas, erigiu-se o santuário mariano de Nossa Senhora do Castelo, que deve o seu nome ao assentamento outrora nele existente, de reconhecida importância estratégica no processo da “Reconquista” cristã.

Reza a lenda que terá sido fundado por D. Afonso Henriques, em agradecimento a Santa Maria, após a tomada do castelo aos mouros. Na tribuna do altar-mor, a imagem de Nossa Senhora do Castelo, padroeira da vila, tem o Menino ao seu lado.

O périplo do TSS pelo centro histórico da vila termina com uma receção no Museu Municipal, equipamento inaugurado em 2001 e que tem por especial missão inventariar, salvaguardar e divulgar o património local, tanto material como imaterial.

Será oportunidade para os participantes da atividade assistirem à inauguração da exposição “Armindo Cardoso: Um Fotógrafo Humanista em Coruche”, que salienta o percurso de um homem, nascido no Porto em 1903, e a marca que deixou na sua passagem por Coruche, de 1979 a 1989.

Um cidadão do mundo, de França ao Chile, e um profissional que documentou profusamente o país após a Revolução de Abril, Armindo Cardoso fotografou, com talento plástico e argúcia documental, operários, agricultores, corticeiros, mineiros, pescadores, manifestações e reuniões de trabalhadores.

 

 

Homenagem à cortiça e ao montado

Num concelho onde é extraída cerca de 10% da cortiça nacional, a atividade do Terras sem Sombra dedicada à salvaguarda da biodiversidade faz justiça a esta feição corticeira. No domingo, 30 de Junho (9h30), o festival tem encontro marcado para o Largo de São José, ponto central da aldeia de São José da Lamarosa.

O objetivo da atividade com o tema «Património da Humanidade: O Montado e o Sistema Agro-Silvo-Pastoril», é a Herdade dos Leões, uma conhecida fazenda desta castiça freguesia coruchense, exemplar do ponto de vista da exploração da cortiça em moldes modernos e sustentáveis.

Ali, vai-se assistir a uma tirada de cortiça, sob a orientação do respetivo proprietário, o perito subericultor José Custódio Alves, e de José Mira Potes, especialista em Agro-Silvo-Pastorícia, antigo professor da Escola Superior Agrária de Santarém.

Depois de um interregno durante os meses de Julho e Agosto, a 20.ª temporada do Festival Terras sem Sombra prossegue a 7 e 8 de Setembro, no concelho de Castelo de Vide.

Toda a programação da presente temporada pode ser consultada no novo site do Festival Terras sem Sombra.

 

 

Leia mais um pouco!
 
Uma região forte precisa de uma imprensa forte e, nos dias que correm, a imprensa depende dos seus leitores. Disponibilizamos todos os conteúdos do Sul Infomação gratuitamente, porque acreditamos que não é com barreiras que se aproxima o público do jornalismo responsável e de qualidade. Por isso, o seu contributo é essencial.  
Contribua aqui!

 



Comentários

pub