Ministério Público acusa três arguidos de rapto e coação no concelho de Aljustrel

O caso teve início na noite de 5 de Fevereiro de 2022

O Ministério Público (MP) deduziu acusação contra três arguidos por rapto, agressões e ameaças a uma pessoa residente no concelho de Aljustrel, no distrito de Beja, de quem suspeitavam que tinha escondido droga.

Num comunicado publicado na página de Internet da Procuradoria da Comarca de Beja e consultado ontem pela agência Lusa, o MP indicou que o caso teve início na noite de 5 de Fevereiro de 2022 e prolongou-se pela madrugada seguinte.

«Os arguidos e um quarto indivíduo, cuja identidade não foi ainda possível apurar, dirigiram-se a casa da vítima, situada no concelho de Aljustrel, no intuito de recuperar produto estupefaciente que teria desaparecido», adiantou.

Segundo o MP, que cita o despacho de acusação, dois dos alegados agressores, ainda que a vítima tenha afirmado que não sabia da droga, «agrediram-no na cabeça com a coronha de pistolas de que vinham munidos».

«De seguida, forçaram a vítima a entrar num carro conduzido pelo terceiro arguido e acabaram por levá-la para um apartamento na zona de Setúbal», referiu.

O Ministério Público salientou que «o ofendido foi agredido e sofreu ameaças que chegaram a ser de morte durante a viagem e no interior do apartamento».

De acordo com o MP, os três arguidos estão acusados da prática dos crimes de rapto e coação agravados.

O inquérito foi dirigido pelo Ministério Público de Ourique, da comarca de Beja, com a coadjuvação da Polícia Judiciária.

A Lusa já solicitou ao MP mais informações sobre o caso, aguardando resposta.

 



Comentários

pub