Maiores campeões de sempre no motocrosse preparam terceira geração no Alentejo

Em 2021, a família Everts escolheu Portugal como novo rumo, tendo adquirido uma propriedade em Boavista dos Pinheiros (Odemira)

Foto: Luís Forra | Lusa

O ex-piloto belga Stefan Everts, decacampeão mundial de motocrosse, instalou-se no Alentejo, onde prepara o filho Liam para seguir as suas pisadas e dar continuidade a uma tradição familiar que arrancou há 50 anos com o avô Harry.

Em 2021, a família Everts escolheu Portugal como novo rumo, tendo adquirido uma propriedade em Boavista dos Pinheiros, no concelho de Odemira, no distrito de Beja, onde construiu uma pista de treino, usada pela jovem promessa para se preparar entre as constantes viagens que o circuito mundial de 20 provas entre Março e Setembro acarreta.

Carregando aos ombros o peso dos 14 títulos mundiais acumulados por pai e avô, Liam Everts, de 19 anos, tornou-se na terceira geração da sua família no Campeonato do Mundo de motocrosse, em que se estreou na segunda categoria (MX2) em 2021 e agora compete com moto de fábrica da KTM.

Harry Everts foi o primeiro campeão mundial da família, com quatro títulos entre 1975 e 1981, seguindo-se o filho Stefan, que se tornou recordista com um total de 10 títulos mundiais, entre 1991 e 2006, quando se retirou.

Stefan Everts, de 51 anos, afirmou à Lusa que o seu filho está no bom caminho, porque é um atleta «muito bem preparado» numa modalidade «muito difícil e exigente».

«Acreditamos no seu potencial e que ele poderá um dia ser campeão mundial. Seria um grande sonho para toda a família vê-lo tornar-se campeão como terceira geração. Acho que é algo único no mundo», frisou o belga.

O antigo piloto disse que Liam «tem o ADN certo», elogiando-lhe não só o talento, disciplina e foco que demonstra, mas também a mentalidade para responder à pressão que o apelido implica, até porque a Bélgica é o país com mais títulos mundiais de motocrosse nas várias categorias (52), mais do dobro dos conquistados por pilotos de França e Itália (24).

«A ambição dele é muito grande, embora tenha umas pisadas muito difíceis de seguir, não só as minhas, mas também as do avô. Traz muita pressão extra usar o nome Everts neste desporto», reconheceu Stefan, que vê no primogénito o seu estilo de condução mais técnico.

Liam Everts, cujas primeiras memórias ao comando de uma moto de motocrosse remontam à altura em que tinha três anos e meio, declarou à Lusa que está a dar o seu melhor todos os dias «para tentar ser tão bom» como o pai e o avô, mas também para criar o seu próprio legado.

«Não é fácil, mas quanto mais corridas fazemos e quanto mais velhos ficamos, aprendemos a lidar com isso, a tirar isso da mente e a concentrarmo-nos apenas em nós próprios. O que eles alcançaram é passado, eu estou apenas a fazer o melhor que posso para alcançar o máximo que conseguir», sustentou.

Acrescentando que o trabalho com um psicólogo do desporto lhe tem permitido ganhar mais confiança, Liam reforçou a sua ambição pessoal, quer em MX2 ou, no futuro, em MXGP, a principal classe do Mundial: «eu aceito tudo o que vier, estou focado em cada fim de semana de competição. Mas o objetivo principal é um dia ser campeão mundial».

A propriedade adquirida pelos Everts em Odemira está situada ‘paredes meias’ com uma academia de rali e enduro onde a família já treinava desde 2017. Foram estes vizinhos que lhes deram a dica de que o terreno ao lado estava disponível.

«Estávamos há muito tempo à procura de um sítio para nos mudarmos e afastarmo-nos da Bélgica. Encontrámos este sítio fabuloso aqui graças aos nossos vizinhos», recordou Stefan Everts.

Para ali ter uma pista de treino, «não houve muito que construir», foi fácil fazer um trilho, sem saltos artificiais, bastando apenas aproveitar as pequenas colinas já existentes.

«Temos uma pista muito boa, grande, longa e técnica», apontou o campeoníssimo piloto belga.

«É muito bom estar aqui, parece que estou de férias, mas estou sempre a treinar, a fazer o meu trabalho físico, com as motos de enduro ou trail», declarou Liam Everts.

Em Portugal, o jovem piloto belga teve recentemente «um fim de semana mágico»: a 5 de Maio, fez o pleno na lamacenta pista de Águeda, no distrito de Aveiro, na quinta ronda do Mundial de motocrosse, vencendo a qualificação e as duas mangas da corrida portuguesa, e subiu ao terceiro lugar em MX2, posição que manteve no fim de semana, após as corridas em Lugo, em Espanha, onde foi terceiro.

 



Comentários

pub