Das 670 pessoas contactadas só 35 aceitaram ir trabalhar para o lar de Reguengos

As ministras do Trabalho e Segurança Social e da Saúde estão a ser ouvidas esta manhã no Parlamento

Ana Mendes Godinho – Foto: Elisabete Rodrigues | Sul Informação – arquivo

A Segurança Social contactou 670 pessoas para trabalhar no lar de Reguengos de Monsaraz para substituir os profissionais que tiveram de ser isolados devido ao surto de covid-19, mas só conseguiu mobilizar 35, revelou a ministra do Trabalho e Solidariedade Social no Parlamento.

Ana Mendes Godinho adiantou o número para que se percebam as “dificuldades na mobilização” de profissionais para os lares onde há surtos de covid-19, pelo receio de contágio.

“Há muitas situações em que só conseguimos voluntários para trabalhar nos lares” afetados por surtos, afirmou a ministra, acrescentando que, no caso concreto de Reguengos de Monsaraz, “no dia 19 de junho, a Segurança Social começou a mobilizar pessoas. Das 670 contactadas, conseguiu mobilizar 35”.

 

Leia mais no Jornal de Notícias

 

 



Comentários

pub